domingo, 29 de julho de 2012

O PATINHO FEIO

 Para trabalhar a questão da diversidade, o respeito às diferenças, trabalhei com o texto O PATINHO FEIO, usando essa história conhecida discutimos com as questões relacionadas a difrença entre todos nós, o respeito que devemos ter com todas as pessoas independente de raça, cor, tamanho, etc. E ressaltando também a importância da auto aceitação delas próprias, construção de sua auto imagem, sua auto estima.


                                 DESENVOLVIMENTO
       Apresentação do livro: capa, material, título,
editora, ilustrações.
       Ler a história toda e mostrar as figuras;
      Apresentar a turma um filme do you tube com a história;
      Ouvir o CD;
      Interpretação oral: os alunos recontam a história, identifica
os personagens, o tempo, o espaço que acontece a história

(Onde? Quando?);
       Atividades orais e escritas tais como:
Escrita de palavras com letras móvel
Caça-personagens 
Cruzadinha 
Seqüência com tarjas (música) 
Reescrita coletiva do texto
      Frases enigmáticas
      Cantar a música O Pato de Vinícius de Maraes e Toquinho;
      Confecção de dobradura d história.




Em uma granja uma pata teve quatro patinhos muito lindos. Porém, quando nasceu o último, a patinha exclamou espantada:
- Que pato tão grande e tão feio!
No dia seguinte, de manhãzinha, dona Pata levou a ninhada para perto do riacho.
Mas os patos maiores estavam achando aquele patinho marrom, muito feio. Não parece pato não! - Dizia uma galinha carijó. O galo então, estava muito admirado do tal patinho.
- Tomem cuidado com o gatão preto. Não se afastem muito de mim, dizia a Mãe Pata.
Chegaram à lagoa e logo dona pata e os pequenos entraram na água.
Mamãe estava orgulhosa. Mas o patinho feio era desajeitado, como ele só. Não conseguia nadar. Afundava a todo momento.
Teve que sair para fora da água. E foi só gozação dos demais. Dona pata ainda ensinou-os a procurar minhocas e a dividi-las com os irmãos.
Os irmãos tinham vergonha dele e gritavam-lhe:
- Vá embora porque é por tua causa que todos estão olhando para nós! Não sei porque o gatão preto,
não leva você para sempre?
- O pobre patinho ficava sempre isolado dos demais. Os patos mais velhos, judiavam do pobrezinho dando-lhe bicadas.
Todos os seus irmãos eram amarelinhos e pequeninos, e ele era feio, marrom, grandão e desengonçado. De tão rejeitado por ser diferente, resolveu fugir.
Afastou-se tanto que deu por si na outra margem.
- De repente, ouviram-se uns tiros. O Patinho Feio observou como um bando de gansos se lançava em vôo. O cão dos caçadores perseguia-os furioso.
Conseguiu escapar do cão mas não tinha para onde ir. Porém, não deixava de caminhar.
Foi andando... foi andando... sem destino, com o coração cheio de dor e lágrimas nos olhos.
Chegou a um riacho onde estavam patos selvagens. Cumprimentou-os como aprendera com sua Mãe. Mas eles logo foram dizendo:

_Não queremos intrusos aqui. Vá andando e não se faça de engraçado, pato feio.
Pobre patinho, só queria um lugar no mundo para descansar, comer algumas minhocas e nada mais.
Finalmente, o inverno chegou. Os animais do bosque olhavam para ele cheios de pena.
- Onde irá o Patinho Feio com este frio? - Não parava de nevar. Escondeu-se debaixo de uns troncos e foi ali que uma velhinha com um cãozinho o encontrou.
- Pobrezinho! Tão feio e tão magrinho! E levou-o para casa.
Lá em casa, trataram muito bem dele. Todos, menos um gatinho cheio de ciúmes, que pensava: "Desde que este patucho está aqui, ninguém me liga".
Com o tempo a velha cansou-se dele, porque não servia para nada: não punha ovos e além disso comia muito, porque estava a ficar muito grande.
O gato então aproveitou a ocasião.
-Vá embora! Não serves para nada!
E o patinho foi embora. Chegou a um lago em que passeavam quatro belos cisnes que olhavam para ele.
O Patinho Feio pensou que o iriam enxotar. Muito assustado, ia esconder a cabeça entre as asas quando, ao ver-se refletido na água, viu, nada mais nada menos, do que um belo cisne que não era outro senão ele próprio, tão grande e tão belo, como os que vinham ao seu encontro.
Os companheiros o acolheram e acariciavam-no com o bico. O seu coraçãozinho não cabia mais dentro do peito.

Nunca imaginara tanta felicidade.

Os cisnes começaram a voar e o Patinho Feio foi atrás deles.
Quando passou por cima da sua antiga granja, os patinhos, seus irmãos, olharam para eles e exclamaram:
- Que cisnes tão lindos!
Assim termina a nossa história. O patinho feio sofreu muito até que um belo dia cresceu e descobriu a verdade sobre si próprio: ele não era um pato feio e diferente dos outros, era na verdade um lindo cisne. Desde então, todos passaram a admirá-lo e a se curvar diante de sua beleza.


Fonte: http://www.miniweb.com.br/cantinho/infantil/38/estorias_miniweb/patinho_feio.html




Um artigo do Gabriel Chalita para refletirmos sobre o valor do 

respeito ao ser humano. O texto é baseado na história do Patinho Feio.
O Patinho Feio e o valor do respeito
Quem não conhece a história do Patinho Feio? Quem nunca sofreu ou
ao menos se comoveu com sua trajetória de sofrimento apenas por ser considerado feio e estranho aos seus?
A riqueza da história de Hans Christian Andersen reside na capacidade
de nos tocar profundamente, de despertar em nos o sentimento de amor 
ao próximo, de solidariedade e de respeito as diferenças.
Na história, como na vida real, o preconceito de cor, gênero, credo ou 
classe social, prescinde de lógica e de racionalidade para se estabelecer.
Não há alegação plausível, nem por parte dos intolerantes, a capacidade 
de refletir sobre a importancia do outro como peça fundamental no jogo 
social. Um jogo que necessita das relações de troca, de amizade e de aprendizado que vem da convivência pacifíca entre todos,
independentemente da origem ou da história de cada um.
Seja em casa ou na escola, temos o dever de orientar nossas crianças 
para a aceitação do outro, para a compreensão de que condutas
preconceituosas so colaboram para a degradação das relações e da
sociedade como um todo.
A mensagem de Andersen é clara: a despeito das experiências dolorosas,
temos de continuar acreditando em nós mesmos e também nos outros, 
mesmo que, a princípio, pareçam tão diferentes.
Temos de acordar para o fato de que todos podemos ser como cisnes
belíssimos, prontos para aproveitar a primavera e para viver uma vida
pacifíca e digna. A responsabilidade é nossa.
Diz Gabriel Chalita: Devemos estar conscientes da importância de nosso
papel de amparar, reerguer, reavivar os sentimentos, valores e atitudes
que poderão renovar a confiança em dias melhores. Que essa consciência 
seja uma realidade e um estímulo a vocês, companheiros de jornada, 
colegas de cena neste teatro fabuloso que é a escola da vida.
Revista Profissão Mestre
Postado por: Profª. Rosângela Viana
Fonte: Blog da tia Claudia



7 comentários:

  1. Oi amiga..parece que deu certo o meu link,rs
    peguei o seu também!
    Uma linda semana para você,cheia de bençãos..
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Desculpe a demora em responder, obrigada pela visita.Volte sempre.
      Um abraço.

      Excluir
  3. Parabéns pelo blog, realmente necessitamos de histórias que incentivem a inclusão e o respeito entre as pessoas !!!

    ResponderExcluir
  4. Olá querida o trabalho ficou òtimo continui assim,pois quem da uma olhadinha ve que esse projeto foi muito bom e da criatividade para as pessoas fazerem tambem uma outra versão. Sucesso adorei!

    ResponderExcluir
  5. Olá querida o trabalho ficou òtimo continui assim,pois quem da uma olhadinha ve que esse projeto foi muito bom e da criatividade para as pessoas fazerem tambem uma outra versão. Sucesso adorei!

    ResponderExcluir
  6. Belo trabalho,as crianças agradece ,trabalhei com meus pequenos ano passado,e vou repetiresse ano,eles gostam muito

    ResponderExcluir

Fiquei muito feliz pela sua visita, obrigada por deixar sua opinião.
Volte sempre!!!
Professora Adelita Martins